Voltar para a lista
 
  Título
Dubshashs de "Ela quer pau": recepção, discurso e autobiografia
Autor
Telmo Medici Sillos Fadul
Resumo Expandido
Criado em novembro de 2014 na Alemanha pelos programadores Daniel Taschik, Jonas Druppel e Roland Grenke, o aplicativo de smartphone Dubsmash difundiu-se no Brasil no ano seguinte, entre abril e maio. A prática de filmar a si mesmo na encenação de um áudio famoso se tornou febre e os dubsmashs invadiram as redes sociais – Facebook, Twitter e Instagran – os serviços de mensagens instantâneas, como o WatsApp.



Este artigo analisa cinco dubsmashs da mesma música – Ela quer pau – do cantor de funk Mc Pikachu. O corpus foi selecionado em meio a centenas de vídeos resultantes de busca no YouTube e no portal Xvideos (conteúdo adulto) com os termos “dubsmash” e “tava no fluxo” – o primeiro verso da letra. O recorte foi delimitado por ser representativo da gama de diferentes sentidos atribuídos à música por meio dos dubsmashs.



Vejamos a letra (o enfoque deste trabalho será exclusivamente o texto, já que, em um dos dubsmashs do escopo, os versos chegam a ser entoados à capela): "Tava no fluxo / Avistei a novinha no grau / Sabe o que ela quer? / Pau, pau, pau / Ela quer pau / Pau, pau, pau / Ela quer pau".



Para um leitor comum e não familiarizado com as músicas de funk, apenas as informações constantes do texto não estabelecem, com segurança, o significado de expressões como “no fluxo”, “no grau” e “pau” – esta, levando-se em conta seus múltiplos sentidos metafóricos. Os dubsmashs de Ela quer pau têm, em média, onze segundos, e retratam apenas o trecho da letra transcrito acima. Todos eles procuram definir a natureza do desejo da “novinha” e preencher as lacunas de significado que emanam dos versos.



As perguntas motivadoras desta pesquisa são: que tipo de relação os dubsmashs mantêm com o texto de Mc Pikachu? O que dizem que a “novinha” quer? Como se dá a recepção desses videoclipes?



Veremos que os dubsmashs representam, antes de qualquer coisa, diferentes leituras que seus autores fizeram da música. Os vídeos não se propõem como produtos autônomos, com os quais a canção deva dialogar em pé de igualdade. O intuito de cada dubsmash é dar materialidade a uma leitura possível para a letra do funk. Os videoclipes dão corporeidade ao que até então figurava apenas como palavra.



Essas atribuições de sentido, porém, estão sempre atreladas a discursos pré-existentes sobre a mulher (novinha): ora ela quer apanhar, ora quer ser estuprada, ora quer ter um pênis (o signo do poder masculino), ora quer ter o domínio do coito. Tais discursos dialogam entre si e chegam até mesmo a provocar eventos extratextuais.



Isso acontece porque os dubsmashs são recebidos como confissões autobiográficas pelo público projetado – os contatos das redes sociais dos usuários do aplicativo. Por meio dos dubsmashs, os leitores/ouvintes/espectadores compreendem duas coisas: primeiro, que o emissário compartilha de determinado ponto de vista (é partidário desta ou daquela opinião); segundo, que aderiu a um movimento contemporâneo, uma moda, uma tendência da internet – o próprio ato de se fazer dubsmashs.



A princípio, serão apresentados e descritos os cinco dubsmashs objetos deste estudo. A abordagem focará os discursos por trás de cada dubsmash – definidos como uma exegese da letra de Mc Pikachu substancializada audiovisualmente. Em seguida, a recepção dos dubsmashs entra em foco, com o reexame do último dos videoclipes, tomado, inevitavelmente e com consequências, como confissão autobiográfica.
Bibliografia

BAUDRILLARD, Jean. Simulacros e simulação. Trad. de Maria João da Costa Pereira. 1. ed. Lisboa: Relógio d´Água, 1991.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. Trad. de Laura Sampaio. 5. ed. São Paulo: Edições Loyola, 1996.

JAUSS, Hans Robert. O prazer estético e as experiências fundamentais da poiesis, aisthesis e katharsis. In: LIMA, Luiz Costa (Coord. e Trad.). A Literatura e o leitor: textos de estética da recepção. 2. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002.

LEJEUNE, Philippe. O pacto autobiográfico: de Rousseau à internet. Org. de Jovita Maria Noronha. Trad. de Jovita Maria Noronha e Maria Inês Guedes. 2. ed. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2014. 459.

STIERLE, Karlheinz. In: LIMA, Luiz Costa (Coord. e Trad.). A Literatura e o leitor: textos de estética da recepção. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002.

THOMPSON, John B. A mídia e a modernidade: uma teoria social da mídia. Trad. de Wagner de Oliveira Brandão. Rev. de tradução de Leonardo Avritzer. 15. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.