Voltar para a lista
 
  Título
Soy aloka por ti, America: visibilidades kuir ao sul do Equador
Autor
Alessandra Soares Brandão
Resumo Expandido
As viagens e perambulações urbanas se intensificam no cinema latino-americano na virada do século XXI, parecendo ressoar uma certa inquietação contemporânea que impulsiona o trânsito e a mobilidade como marcas de um presente convulso. Nesse contexto de dispersão e ao mesmo tempo resistência no capital, importa pensar as formas de visibilidade queer que afloram nas narrativas de deslocamento do contexto latino-americano. De que maneiras os desejos queer também se deslocam e desafiam a heteronormativade dominante? Como as subjetividades queer resistem no cine latino-americano contemp orâneo? Que afetos produzem e como esses afetos se constituem como uma experiência estética? Essas são algumas das perguntas que me instigam a traçar uma cartografia das formas como as telas latino-americanas figuram as subjetividades queer, mobilizando desejos e políticas que aparecem com vigor no trânsito, nos entrelaçamentos interseccionais, nas tensões do intermezzo, que propagam os devires. Assim, cabe pensar a trajetória intersexo abordada em XXY, bem como a questão intercultural e de classe em Menino Peixe, ambos de Lucía Puenzo. Do mesmo modo, cabe pensar a relação com as margens no trânsito das personagens viajantes de Tan de repente, de Diego Lerman, e de Y tu mamá también, de Alfonso Cuarón. É a partir destes, entre outros filmes latino-americanos, que busco uma perspectiva crítica das políticas que mobilizam as subjetividades queer em trânsito pelas ruas e estradas que atravessam as fronteiras do continente, buscando mapear os contornos estéticos e afetivos que constroem a experiência queer nas telas latino-americanas do presente.
Bibliografia

Del Rio, Elena. Deleuze and the Cinemas of Performance: Powers of Affection. Edinburgh: Edinburgh University Press, 2008.

Deleuze, Gilles; Felix Guattari. A Thousand Plateaus. Minneapolis, University of Minnesota Press, 2005

Edelman, Lee. No Future: Queer Theory and the Death Drive. Durham, NC: Duke University Press, 2004.

De Lauretis, Teresa. “Queer Texts, Bad Habits, and the Issue of a Future.” GLQ 17.2-3 (2011): 243-63.