Voltar para a lista
 
  Título
OS GÊNEROS DOS PROGRAMAS TELEVISIVOS
Autor
Angélica Coutinho
Resumo Expandido
A presente comunicação será a primeira apresentação pública dos resultados de uma pesquisa realizada no Pós-doutorado na Universidade de Los Angeles - UCLA - sob a supervisão do prof. Randal Johnson. Partindo do desafio cotidiano em analisar projetos e lidar com regulamentações que definem projetos passíveis ou não de investimento de acordo com gênero, tal pesquisa retoma a ideia apresentada em “A televisão levada a sério” (2000) por Arlindo Machado: gênero é uma ideia que desde o advento do estruturalismo até os tempos pós-modernos vem sofrendo um “questionamento esmagador”. No entanto, é preciso considerar que o campo teórico e o campo prático podem manter distanciamentos sem que um impeça o funcionamento do outro. Ou seja, por mais que a reflexão na academia rejeite qualquer tipo de classificação, a indústria cultural cria sua taxonomia para atender as expectativas do público com o que ele já conhece ou com criações e recriações em sua constante busca por novidades. Uma busca que se funda na necessidade do meio garantir sua sobrevivência: é necessário sempre criar novos objetos de desejo para o consumo assim como rotulá-los de forma que o público consiga facilmente identificar o “produto” que quer. Jane Feuer afirma ainda que o estudo de gênero na televisão é parte de diferentes níveis críticos (1992, 145). Primeiramente, um enfoque estético que trata das tentativas de definir o gênero como um sistema de convenções que permite a expressão artística, envolvendo a autoria individual, assim como sua subversão. Em segundo lugar, um enfoque ritual no qual o gênero é uma troca cultural entre indústria e audiência na qual se negocia crenças e valores e a ordem social é mantida e renovada com a adaptação das mudanças. E, finalmente, o enfoque ideológico que serviria como instrumento de controle no qual “the genre positions the interpretive community in such a way as to naturalize the dominant ideologies expressed in the text”. Observamos, portanto, que o estudo do gênero deve ultrapassar os limites do “texto”, entendido de forma ampla, ou seja, não apenas aquilo que está no campo da escrita, mas alcança a produção de conteúdo audiovisual. Em particular quando falamos em televisão e sua constante busca por novidades. As normas genéricas e tipos ideais que definem as características de cada gênero são cotidianamente desobedecidas em prol do hibridismo e da inovação, mas em sua origem podemos identificar as referências de fundo. Dentro do campo do audiovisual, tomemos como exemplo o documentário e sua relação de proximidade com o jornalismo televisivo. Podemos identificar os elementos de similaridade entre ambos em sua busca por elementos da realidade para compor uma narrativa. No entanto, o instrumental usado, a forma de organização de conteúdo faz com que cada um se filie a um gênero mais específico cuja legitimação também se dá a partir da maneira como é veiculado e a maneira como atende às expectativas do público. Hoje temos o mapeamento inicial de uma pesquisa com o objetivo de levantar questões e apontar algumas reflexões sobre o conceito de gênero entendendo-o sob diferentes pontos de vista: desde a reflexão acadêmica até a funcionalidade mercadológica. Percebemos que as escolhas do mercado tanto quanto as definições de investimento público, no caso do Brasil, precisam identificar o que há de novo e para tal demanda a construção de parâmetros que implica uma taxonomia. Obviamente, não defendemos um engessamento, uma construção de regras que impeça o hibridismo. Este, como a história da televisão demonstra com uma enorme gama de exemplos, é inevitável pela própria natureza do meio ávido por constantes novidades. Mas entendemos a importância de existir um cenário de referência, que sempre será ampliado, na medida em que novos formatos forem surgindo e se sedimentando como novos gêneros.
Bibliografia

Aronchi, José Carlos. 2004. Gêneros e formatos na televisão brasileira. São Paulo: Summus editorial.

Bakhtin, Mikhail. 2005. Problemas da poética de Dostoievski. São Paulo: Forense Universitária.

Creeber, Glen, org. 2012. The televison genre book. Nova Iorque: Palgrave Macmillan/BFI.

Fechine, Yvana. 2001. Gêneros televisuais: a dinâmica dos formatos. http://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/3195/3195.PDF.acessado em 10/04/2015.

Gomes, Itania Maria Mota. 2002. Revista Fronteiras. http://telejornalismo.org/wp-content/uploads/2010/05/Revista-Fronteiras.A-No%C3%A7%C3%A3o-de-G%C3%AAnero-Televisivo.pdf acessado em 10/04/2015.

Machado, Arlindo. 2000. A televisão levada a sério. São Paulo: Editora Senac.

Martin-Barbero, Jesús. 2001. Dos meios às mediações – Comunicação, cultura e hegemonia. Rio de Janeiro: Editora UFRJ.

Moran, Albert. 2009. TV formats Worldwide. Chicago: The University of Chicago Press.

Neale, Steve. 2012. Genre and Television in The televison genre book. Nova Iorque: Palgrave Macm