Voltar para a lista
 
  Título
Tese, tema, narrativa e dramaturgia na avaliação de projetos audiovis.
Autor
Daniel Vidal Mattos
Resumo Expandido
O universo da criação, produção e circulação de audiovisuais lida, desde sua origem com um problema polêmico. Caro, complexo e pouco previsível, o setor de produção e fruição de audiovisuais logo se organizou em torno de uma fase inicial crítica: a proposição, avaliação e seleção de projetos de obras audiovisuais. Isso é verdade tanto para a indústria como para as iniciativas de mecenato, em todas as formas. Desde a tradição do mass communication research e da crítica da cultura, passando pela disputa entre as teses do livre comércio e da proteção à diversidade cultural, a forma de avaliar e selecionar projetos de obras audiovisuais tem uma longa história de conflitos dicotômicos entre dois diferentes métodos de abordagem do problema. Esses conflitos são caracterizados pelo viés político-ideológico e por fundamentos e consequências econômicas. De que forma essa tensão provoca sinergias e contradições em projetos de obras brasileiras e nos processos seletivos oficiais no Brasil? Para responder essa pergunta, analisamos os modelos recorrentes de apresentação de projetos, critérios de análise e resultados obtidos, tanto nos processos seletivos de mercado quanto nos editais oficiais de fomento. A conclusão a que chegamos é que, enquanto o mercado apropriou-se da expertise histórica a respeito da narrativa e dramaturgia, o Estado e seus proponentes típicos apropriaram-se do discurso das ciências sociais e políticas, onde tema e tese se sobrepõem à estrutura dramática. A conseqüência é o aprofundamento e retroalimentação daquela dicotomia de origem.
Bibliografia

DALE, M. The Movie Game: the Film Business in Britain, Europe and America. London, Cassel. 1997.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro, LP&A. 2000.

LIPPMANN, Walter. Public Opinion. New York, Mac Millan. 1950.

MARTIN, R. The French Film Industry: A Crisis of Art and Commerce. Columbia Journal of World Business, Number 4 (Winter 1995). 1995.

MATTOS, Daniel. CULTURA, MERCADO e PERSPECTIVAS para O AUDIOVISUAL BRASILEIRO NO SÉCULO XXI. Tese de Doutoramento em Comunicação e Cultura, ECO-UFRJ. 2006.

MATTOS, Daniel. Narrativa e Eficácia: O Estereótipo na Cultura. Dissertação de mestrado. ECO-UFRJ, 2000.

RAMOS, J. M. O. Cinema, estado e lutas culturais. Rio de Janeiro, Editora Paz e Terra. 1983.

REIS, Eustáquio. Economia do Cinema na Brasil. Vide site do Ministério da Cultura. p.28. (www.minc.gov.br.) Relatórios e Pesquisas.

SIMIS, Anita. Estado e Cinema no Brasil. Tese de Doutoramento apresentada à Faculdade de Filosofia, Letra e Ciências Humanas d