Voltar para a lista
 
  Título
Autorreferencialidades em Saneamento básico: o espectador confabulado
Autor
Afonso Manoel da Silva Barbosa
Resumo Expandido
Este trabalho pretende analisar dados do longa-metragem Saneamento básico, o filme, de Jorge Furtado, com especial atenção às autorreferencialidades construídas em torno de algumas propostas da obra que se projetam no intuito de desvelar a posição do espectador na trama. Dentre os investimentos narrativos e metalinguísticos que devemos investigar, partiremos para o estudo de trechos do filme que se desdobram a partir das preocupações dos personagens quanto às reações potenciais do público em relação a um vídeo de curta-metragem que eles têm que produzir na tentativa de angariar fundos para resolver o problema de esgotamento sanitário da comunidade.

Para o desenvolvimento da discussão, nos apoiaremos em obras como O espetáculo interrompido, de Robert Stam, com o propósito de pensarmos os mecanismos de metalinguagem e os desdobrarmos do debate acerca do desvelamento ficcional. Já para a observação de certos dos padrões de ficcionalidade, a obra A anatomia da crítica, de Northrop Frye, deve nos auxiliar para essa via de mão dupla na análise das categorias narrativas como personagem e enredo, pensadas e debatidas, diegeticamente, por Marina (Fernanda Torres) e seus amigos de produção.

O referencial teórico passa também por autores como David Bordwell e seus estudos sobre certos arquétipos de parte da cinematografia hollywoodiana em O cinema clássico hollywoodiano: normas e princípios narrativos. Além disso, nosso trabalho busca discutir as relações entre ficção e o contexto social a partir do livro Literatura e sociedade, de Antonio Candido, que debate ainda a construção do personagem, juntamente como Anatol Rosenfeld, Décio de Almeida Prado e Paulo Emílio Salles Gomes na obra A personagem de ficção. Ainda abriremos espaço para o texto Teoria do cinema e espectatorialidade na era dos “pós”, de Robert Stam e Ella Shohat, na tentativa de averiguar noções da recepção num contexto de análise em que se observa a heterogeneidade dos interlocutores.

Personagens como Joaquim (Wagner Moura) e Seu Otaviano (Paulo José) – marido e pai de Marina, respectivamente – também merecem destaque neste estudo pelo fato de cada um, respondendo a uma caracterização específica, estabelecer ligações temáticas e semânticas com a recepção. Interessa-nos verificar como Seu Otaviano representa, metonimicamente, num primeiro momento, o espectador pirrônico que, aos poucos, vai aderindo à ideia, inicialmente inusitada para ele, de os moradores fazerem um filme de ficção e, com o dinheiro do advindo do edital para produções audiovisuais, dar conta do saneamento de Linha Cristal.

Quanto a Joaquim, é preciso investigar como o personagem nos sugere a discussão sobre elementos de verossimilhança, especialmente, a partir dos comentários, dúvidas e sugestões que ele faz para Marina e que acabam ressignificando a posição do espectador e deslocando a noção de público/recepção dos personagens no filme. Como dado a ser examinado, é importante assinalar que, no caso de Saneamento, a estrutura do filme aponta para a ideia do indivíduo que, até então, se restringe a ser público, sem pretensões artísticas, e, em seguida, se torna mola propulsora do dispositivo estético. Logo, é válido discutir como esse mesmo sujeito passa a encarar o público como uma entidade, às vezes amorfa, às vezes dotada de especificidade, mas de uma maneira mais complexa do que a impressão inicial lhe permitia enxergar.
Bibliografia

BORDWELL, David. O cinema clássico hollywoodiano: normas e princípios narrativos. Trad. Fernando Mascarello. In: PESSOA RAMOS, Fernão (Org.). Teoria contemporânea do cinema, Volume II. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2005.



CANDIDO, Antonio. Literatura e Sociedade: estudos de teoria e história literária. São Paulo: Nacional, 1980.



FRYE, Northrop. Anatomia da crítica. Trad. Péricles Eugênio da Silva Ramos. São Paulo: Cultrix, 1973.



ROSENFELD, Anatol. Literatura e personagem. In: CANDIDO, Antonio (Org.). A personagem de ficção. São Paulo: Perspectiva, 2004.



STAM, Robert. O espetáculo interrompido: literatura e cinema de desmistificação. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1981.



STAM, Robert; SHOHAT, Ella. Teoria do cinema e espectatorialidade na era dos “pós”. In RAMOS, Fernão Pessoa. Teoria contemporânea do cinema, v. 1: “Pós-estruturalismo e filosofia analítica”. São Paulo: Editora Senac, 2005.