Voltar para a lista
 
  Título
A COR NO FIGURINO DO DIABO DE O AUTO DA COMPADECIDA (2000)
Autor
PAULA GUIMARÃES DE OLIVEIRA
Resumo Expandido
Em O Auto da Compadecida (2000) percebemos o uso da cor de forma pontual e importante para construção narrativa, principalmente através do figurino que é um elemento poderoso de comunicação visual em um filme, transmitindo mensagens e caracterizando as personagens. Este estudo tem como foco a análise do traje do Diabo, figura que faz parte do imaginário popular e religioso, que teve sua indumentária construída de maneira diferente dessa imagem pré-concebida, principalmente no que diz respeito a cor utilizada. Enquanto parte da linguagem cinematográfica, os figurinos discursam e colaboram para a construção da história. Junto com a cenografia e a maquiagem formam o Departamento de Arte, o qual é subordinado à Direção de Arte, responsável por toda concepção visual. Para que a construção narrativa aconteça de maneira fiel ao objetivo proposto é importante que haja um estudo profundo para a estruturação e concepção tal qual sua realidade. O trabalho deve ser feito em conjunto com a cenografia, já que um figurino independente da trama não consegue atingir seu objetivo na narrativa e pode até atrapalhar a história. A partir do roteiro surge a pesquisa do figurino, quando se conhece o ambiente em que se passa o filme, o gênero dramático e as personagens. Cada gênero tem um conceito e sua caracterização é feita de maneira diferente. O manejo coerente da linguagem visual colabora para que o figurino fortaleça o discurso dramático da obra. Além de elemento comunicador, o figurino, é um elemento do comportamento fundamental para reconhecimento das personagens e a cor é utilizada para compor esses sentidos, complementando a narrativa para que possa atingir o efeito dramático desejado. A cor transmite sensações atuando como uma ferramenta narrativa poderosa, que oferece inúmeras possibilidades para ser trabalhada como componente criativo. Os cineastas sabem disso e a utilizam como elemento para construção de sentido que, associado ao contexto histórico, social e cultural dentro do qual o filme é realizado, ajudam na compreensão do mesmo. A paleta de cores caracteriza a personagem e o ambiente em que se passa a história, de modo que nos orienta à época e ao gênero retratado. Essa paleta contribui também para o estabelecimento da relação do espectador com o filme, já que as cores provocam sensações e significações próprias. Diante disso, este estudo analisa o papel desempenhado pela cor no figurino do filme O Auto da Compadecida (2000), dirigido por Guel Arrais e figurino de Cao Albuquerque, mais especificamente na indumentária do Diabo e as correlações que essa composição cromática tem com os trajes da Compadecida e de Jesus. A análise é feita através do estudo dos figurinos observando de forma mais atenta como o uso das cores ajudou na concepção das personagens bem como a intensificar a oposição entre o bem e o mal através das tonalidades contribuindo assim para construção da narrativa.
Bibliografia

BARROS, Lillian Ried Miller. A cor no processo criativo: um estudo sobre a Bauhaus e a teoria de Goehe. São Paulo: Editora Senac, 2006.



BRAGA, Maria Helena; COSTA, Vaz. Cores & Filmes: Um estudo da cor no cinema. Curitiba: Editora CRV, 2011.



CARNEIRO, Marilia; MUHLHAUS, Carla. No camarim das oito. São Paulo: Senac, 2003.



FIGUEIRÔA, Alexandre; FECHINE, Yvana. Guel Arrais: um inventor no audiovisual brasileiro. Recife: Cepe, 2008.



GLOBO, MEMÓRIA. Entre tramas, rendas e fuxicos. São Paulo: Editora Globo, 2007.



HELLER, Eva. A psicologia das cores: como as cores afetam a emoção e a razão. São Paulo: Gustavo Gili, 2013.



LURIE, Alison. A linguagem das roupas. Rio de Janeiro: Rocco, 1997.



O AUTO DA COMPADECIDA. Direção: Guel Arrais. Produção: Guel Arrais. Globo Filmes, Rio de Janeiro, 2000. 105 min. Som, Color.



OROFINO, Maia Isabel. Mediações na produção de TV: um estudo sobre O Auto da Compadecida. Porto Alegre: Edipucrs, 2006.