Voltar para a lista
 
  Título
O ideal órfico de Kubrick a partir da crítica de Godard a The Killing
Autor
Caio Menezes Graça de Carvalho
Resumo Expandido
A originalidade é, a princípio, um termo curiosamente ambivalente. Relativo a uma atribuição de tudo aquilo que é “original”, tal vocábulo evoca duas linhas de atuação perante a história: independência e tradicionalidade. Independência enquanto unicidade, exclusividade, e, contraditoriamente (e em maior sintonia com a própria raiz da palavra), tradicionalidade, legado, por remetimento ao conceito de fonte – e, portanto, ao de vínculo e de procedência. Contudo, como nos argumenta o crítico cinematográfico Michel Ciment (2013), este paradoxo é perfeitamente diluível em um posterior momento de análise. Qualquer pretensão de independência, de unicidade, pressupõe (ou, ao menos, deveria pressupor) o reconhecimento de uma tradição (ou das tradições), da “evolução das formas”, como o próprio autor define (ibidem, p. 51). “Para afirmar sua diferença, é importante ter consciência histórica, sentir-se ligado ao passado. Pintores, escritores e músicos já experimentaram isso há muito tempo” (idem, ibidem). Dessa forma, qualquer pretensão de novidade, na arte, não pode ser ingênua – sob o risco de acusação de inocência culposa ou, pior, dolosa, como pessoalmente gosto de definir. Essa “falta de ingenuidade” traduzida enquanto consciência histórica é, sem dúvida, uma das características da arte moderna – e o cinema, ainda segundo o crítico acima (ibidem), levou tempo para atingir este estágio de consciência. E Ciment completa: talvez o exemplo mais notável desta perda da “inocência cinematográfica” tenha sido Jean-Luc Godard – justamente aquele que, desde sempre, encarando o cinema como Eurídice, postou-se como Orfeu (1) , a seguir seu rumo sem deixar de olhar para trás com pesar. Um pesar que se traduziria como: “o que de potencial o cinema ainda pode nos oferecer?” Esta motivação artística, de um crítico que se fez diretor, assumindo-se como um autor de cinema de depois do cinema (MOTTA, 2015, p. 169), já se faz identificável desde seu ofício no Cahiers du Cinéma, como nos evidencia uma pequena resenha de autoria dele ao longa-metragem The Kiling (O Grande Golpe, 1956), de Stanley Kubrick, filme cujo roteiro baseou-se numa obra literária. Diante dessa crítica – que coloca nas entrelinhas questões relativas à relação palavra/ imagem dentro da linguagem cinematográfica –, o trabalho a ser submetido para o XXI ENCONTRO SOCINE se empenhará em discorrer sobre como a “consciência órfica” em Kubrick procurou desenvolver uma dialética entre duas rebeldias: uma contrária à novidade (transgressão artística) gratuita e outra contra a satisfação dos expectadores em reconhecer imediatamente a “assinatura” do artista. Esta rebeldia contra a novidade gratuita, a ir em frente sem abandonar o passado e ainda sim sem sacrificar a potencial capacidade da arte em surpreender, será discutida do ponto de vista do embate entre as diferentes tomadas de posicionamento de Kubrick e Godard perante o uso da palavra no cinema.



(1) Essa relação metafórica entre Orfeu e o diretor-autor (que faz seu caminho ainda que olhando para trás) foi posta em declaração pelo próprio Godard ao falar sobre Alfred Hitchcock, no ano do falecimento deste, em uma entrevista (MOTTA, 2015, p. 169).
Bibliografia

CIMENT, Michel. Conversas com Kubrick. Tradução: Eloísa Araújo Ribeiro. São Paulo: Cosac Naify, 2013.

ECO, Umberto. A definição de arte. Tradução de Eliana Aguiar. 1º ed. - Rio de Janeiro: Record, 2016.

GANZ, Adam. ‘Leaping broken narration’: Ballads, Oral Storytelling and the Cinema. In: KHATIB, Lina (org.). Storytelling in World Cinemas, Volume 1: Forms. Columbia University Press, 2012.

GODARD, Jean-Luc. Un bon devoir. Fevereiro, 1958. CAHIERS DU CINÉMA. Paris: Editions de l'Etoile. No. 80.

HALLIWELL, Leslie. Halliwell's Filmgoer's and Video Viewer's Companion. 9th edition. New York: Harper & Row, 1988.

MACHADO, Arlindo. O sujeito na tela: modos de enunciação no cinema e no ciberespaço. São Paulo: Paulus, 2007.

MOTTA, Leda Tenório da. Barthes em Godard. São Paulo: Iluminuras, 2015, 1º edição.

TRUFFAUT, François. Hitchcock/Truffaut. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.