Voltar para a lista
 
  Título
Plataformas transmídia: espaço de experimentação de midias audiovisuais
Autor
Joao de Lima Gomes
Resumo Expandido
Esta mesa visa empreender uma discussão panorâmica acerca das plataformas transmídia enquanto espaço de experimentação de mídias audiovisuais, contemplando as tendências atuais do design multiplataforma, bem como as experiências históricas brasileiras. Assim, as abordagens da mesa são tanto de cunho histórico tanto contemporâneo e as consideração metodológica tratam de produções televisivas e as transformações na ficção seriada. A popularização das plataformas transmídia e a entrada do serviço de vídeo sob demanda no mercado de produção de ficções seriadas, promove (re) configurações nos padrões de engajamento impulsionadas pela prática de binge watching (maratonas). A ênfase da mesa nas plataformas transmídia se deve ao fato destas serem tendências contemporâneas dos estudos de televisão, inclusive no contexto nacional, como demonstram a história da própria Socine e do Projeto Obitel Brasil.

O fenômeno conhecido como narrativa transmídia ou transmedia storytelling diz respeito à dispersão em múltiplas plataformas de conteúdo ligado a uma mesma franquia, com frequência vinculada a um mesmo universo ficcional. Assim, uma história que é introduzida, por exemplo, num filme, pode ser continuada em – e não apenas adaptada para – televisão, livros, quadrinhos e videojogos (JENKINS, 2009, p. 138). A transmidiação é hoje um dos principais temas dos estudos de televisão no Brasil, sendo – por exemplo – o eixo central do Projeto Obitel ao longo dos últimos três biênios (LOPES, 2015). A despeito disso, o conceito vem sendo muitas vezes usado para pensar as produções brasileiras sem que se façam as devidas considerações acerca do seu contexto de origem, e uma abordagem mais profunda do tema no contexto norte-americano pode inclusive ser de grande ajuda aos pesquisadores brasileiros que buscam pensar o tema em relação às produções nacionais. Lembramos por exemplo da história em quadrinhos Falcão Negro, que por dois anos, mensalmente foi impressa no país, roteirizada pelo paraibano Pericles Leal para editora Garimar, bem como o seriado televisivo homônimo que ia ao ar na antiga TV Tupi, no R.de Janeiro e em S. Paulo ( anos 50/60) Além disso, havia a loja de departamentos Ducal que vendia as roupas do herói e sobre o mesmo, ainda foi feita a edição de disco de vinil com episódios do personagem. Tal contexto nacional já é indício de forte articulação de estratégias de narrativas e comercialização de produtos que são correlatos, como um álbum de figurinhas do herói e edições especiais da revista em quadrinhos.

Esta mesa visa empreender uma discussão panorâmica acerca das plataformas transmídia enquanto espaço de experimentação de mídias audiovisuais, contemplando as tendências atuais do design multiplataforma, bem como as experiências históricas brasileiras. Assim, as abordagens da mesa são tanto de cunho histórico tanto contemporâneo e as consideração metodológica tratam de produções televisivas e as transformações na ficção seriada. A popularização das plataformas transmídia e a entrada do serviço de vídeo sob demanda no mercado de produção de ficções seriadas, promove (re) configurações nos padrões de engajamento impulsionadas pela prática de binge watching (maratonas). A ênfase da mesa nas plataformas transmídia se deve ao fato destas serem tendências contemporâneas dos estudos de televisão, inclusive no contexto nacional, como demonstram a história da própria Socine e do Projeto Obitel Brasil.

O fenômeno conhecido como narrativa transmídia ou transmedia storytelling diz respeito à dispersão em múltiplas plataformas de conteúdo ligado a uma mesma franquia, com frequência vinculada a um mesmo universo ficcional. Assim, uma história que é introduzida, por exemplo, num filme, pode ser continuada em – e não apenas adaptada para – televisão, livros, quadrinhos e videojogos (JENKINS, 2009, p. 138). A transmidiação é hoje um dos principais temas dos estudos de televisão no Brasil, sendo – p. ex. – o eixo central do Projeto Obitel
Bibliografia

BIBLIOGRAFIA





BARRETO, Marcel Vieira. Cultura das séries: forma, contexto e consumo de ficção seriada na contemporaneidade. In: ENCONTRO ANUAL DA COMPÓS, 22., 2013, Salvador. Anais Eletrônicos... Salvador: UFBA, 2013. Disponível em: . Acesso em: 1 jun. 2014.



BORGES, BARRETO, GOSCIOLA (Orgs.). Televisão: formas audiovisuais de ficção e documentário, vol. 4. São Paulo: CIAC, 2015.



BUTLER, Jeremy G. Television style. New York: Routledge, 2010.



JENKINS, Henry. Cultura da convergência. 2. ed. São Paulo: Aleph, 2009.



LOPES, Maria Immacolata Vassallo de (Org.). Por uma teoria de fãs da ficção televisiva brasileira. São Paulo: Globo, 2015.



LEAL, Pericles. Iniciação à Televisão. Belém, Pa. Ed. Carangola, 1964.