Voltar para a lista
 
  Título
Monte Hellman e as subversões do Western
Autor
Josy Samanta Ramos Correa de Miranda
Resumo Expandido
Esse artigo é uma extensão de nossa pesquisa de mestrado, no Programa de Pós-Graduação em Multimeios da UNICAMP, intitulada: “Descaminhos: o cinema de Monte Hellman”. Os caminhos que Monte Hellman toma em seus trabalhos são por vezes distintos, prioriza projetos que lhe interessam e também aceita os que lhe são oferecidos. Suas obras são permeadas por questionamentos que não se fazem presentes de maneira evidente, e sim através de um difícil processo de comunicação entre seus personagens, que se mostra frustrante na maioria das vezes. Os cenários corroboram a “dureza” da narrativa: desertos, montanhas íngremes, tempestades de neve, em suma, a natureza como referência ao processo de incomunicabilidade.



É com "The Shooting" e "Ride in the Whirlwind", filmados com o orçamento de um único filme e lançados em 1964 que Monte Hellman alcança reconhecimento. Apesar de serem considerados filmes de western, suas narrativas apontam para novos caminhos no gênero mais popular da América. Nelas os personagens não têm origem e suas trajetórias são cheias de percalços; abandonados à própria sorte em paisagens áridas (bem diferentes daquelas do Monument Valley, de John Ford), precisam enfrentar situações que beiram o nonsense, o que nos remete às narrativas de Franz Kafka. Classificados como “Acid western”, termo cunhado pelo crítico de cinema Jonathan Rosenbaum, esses filmes descendem do que Bazin denominou de "Metawestern':



"... o 'metawestern' é um western que teria vergonha de ser apenas ele próprio e procuraria justificar sua existência por um interesse suplementar: de ordem estética, sociológica, moral, psicológica, política, erótica..., em suma, por algum valor extrínseco ao gênero e que supostamente o enriqueceria." (BAZIN, 1985, p. 210)



Porém o que se observa nos filmes é menos um interesse em enriquecer o gênero, que já estava em puro declínio no período, mas sim utilizar o seu aparato narrativo (paisagem, personagens encontrados nas fronteiras) para transcendê-lo. O western serve como pano de fundo para as narrativas principais que registram o absurdo da condição humana que os personagens representam.



Neste sentido, este artigo objetiva analisar os filmes "The Shooting" e "Ride in the Whirlwind" a partir do conceito de "Metawestern", criado por André Bazin, considerando a forte influência que a contracultura exerceu nos filmes dos diretores emergentes da Nova Hollywood.
Bibliografia

ANDRADE, Fábio. O processo da verdade: Hellman, Kiarostami e alguns vícios da contemporaneidade. Revista Cinética, ago. 2011. Disponível em: . Acesso em: 20 mai. 2016.



BAPIS, Elaine M. Easy Rider (1969): Landscaping the Modern Western. In: CARMICHAEL, Deborah A (org.). The Landscape of Hollywood Westerns. Salt Lake City: The University of Utah Press, 2006. p. 157-181.



BAZIN, André. O cinema: ensaios. São Paulo: Editora Brasiliense, 1991.



SIMMON, Scott. The Invention of the Western Film: A Cultural History of the Genre’s First Half-Century. New York: Cambridge University Press, 2007.



STEVENS, Brad. Monte Hellman: His Life and Films. North Carolina: McFarland & Company, Inc., Publishers, 2003.



HALLIGAN, Benjamin. The New Mesmerica: Zabriskie Point, The Last Movie and Two-Lane Blacktop. In: MENDIK, Xavier (org.). Shocking Cinema of the Seventies. England: Noir Publishing, 2002. p. 15-28.