Voltar para a lista
 
  Título
Cinema Direto na Paraíba: A consolidação de um estilo
Autor
Leandro Cunha de Souza
Resumo Expandido
Neste trabalho, buscamos compreender como se dá a chegada e difusão de um modo de abordagem do real no documentário paraibano, a partir do final dos anos 1970, o chamado Cinema Direto, com sua estilística de registro de som sincrônico à imagem. Esse estilo se destacou por dar voz às pessoas para falarem de si próprias para o cinema; revelando, desta forma, uma linguagem sensível às questões sociais, aos problemas políticos, às questões de gênero e de identidade, além das diversas manifestações culturais. Discutimos o papel do Núcleo de Documentação Cinematográfica da UFPB (NUDOC) como agente de formação de novos realizadores, a partir do intercâmbio com a Associação Varan, em Paris (Ateliers Varan), com a promoção de estágios em Cinema Direto em João Pessoa e Paris, fornecendo, assim, uma bagagem técnica, cultural e teórica consistentes aos novos realizadores. No escopo da nossa pesquisa, conceituamos, inicialmente, o documentário diante das suas maneiras estilísticas e delimitações de um campo de representação. Em seguida, discutimos o Cinema Direto, suas estratégias de abordagem do real e seus precursores na Paraíba, a consolidação de um estilo (o modo expositivo no documentário paraibano), o papel do NUDOC na difusão do Direto e, por fim, a estilística do Direto na Paraíba – dos anos 1980 aos dias atuais. Para isso, embasamos nossa análise nas principais teorias do estudo do documentário, nos estudos das produções sobre o Super-8 mm e o Cinema Direto realizado na Paraíba, nas entrevistas e anotações produzidas no decorrer da pesquisa, no debate sobre a linguagem, a tecnologia, os recursos estilísticos usados e seu contexto histórico. Estas produções colaboraram com a formação da identidade do cinema local, influenciando novas gerações de realizadores. Por fim, demonstramos nossas considerações acerca dos procedimentos estilísticos utilizados no Direto, na tentativa de contribuir com um novo olhar sobre o estudo das narrativas audiovisuais aplicadas à realização do documentário na Paraíba.
Bibliografia

DA-RIN, Silvio. Espelho partido. Rio de Janeiro: Azougue Editorial, 2008.

GERVAISEAU, Henri Arraes. O abrigo do tempo: abordagens cinematográficas da passagem do tempo. São Paulo: Alameda, 2012.

LIRA, Bertrand. Tecnologia e estética: O Super-8 funda a estilística do direto no cinema paraibano nos anos 1980. In: AMORIN, Lara e TREVAS FALCONE, Fernando (Org.). Cinema e memória na Paraíba: o Super-8 na Paraíba nos anos 1970 e 1980. João Pessoa: Editora da UFPB, 2013.

NICHOLS, Bill. Introdução ao documentário. Tradução: Mônica Saddy Marins. Campinas, SP: Papirus, 2009. (Coleção Campo Imagético).

PENAFRIA, Manuela. O filme documentário em debate: John Grierson e o movimento documentarista britânico. Comunicação apresentada no III SOPCOM, VI LUSICOM, UBI, Abril de 2014. Disponível em: http://migre.me/tJ7ou. Acesso em 10 de mai. 2016.

RAMOS, Fernão Pessoa. Mas afinal... o que é mesmo documentário? São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2008.