Voltar para a lista
 
  Título
A Longa Duração de Petróleo Bruto, de Wang Bing
Autor
Cecília Antakly de Mello
Resumo Expandido
Apesar da duração comercial convencional que raramente excede as três horas para longas-metragens, o cinema convive com experiências de longa duração desde pelo menos Napoléon de Abel Gance, de 1927. Durante a década de 1960, por exemplo, Andy Warhol utilizou com frequência a longa duração para questionar ou simplesmente se distanciar de quaisquer padrões comerciais de produção cinematográfica. Mais recentemente, o debate acerca da duração parece ter ganhado força e relevância diante do uso da tecnologia digital (De Luca e Jorge, 2016), que facilitou não apenas a filmagem de planos-sequência excessivamente longos como também a captação de grande quantidade de material bruto, o que significa muitas vezes um desafio sem precedentes para o montador na ilha de edição. Diante desse panorama destaca-se a obra de Wang Bing, documentarista chinês da geração digital dado à realização de filmes de longa duração, excedendo com frequência o padrão dos ‘longas-metragens’. Minha intenção nessa comunicação será investigar as motivações estéticas e políticas por trás da longa duração de seu filme Petróleo Bruto (Cai You Ri Ji), de 2008, que dedica 840 minutos (14 horas) a um dia na vida de trabalhadores em campos de petróleo no noroeste da China. Exibido em salas de cinema e no espaço da galeria, Petróleo Bruto desafia a experiência da espectatorialidade ao mesmo tempo em que exagera o impulso baziniano em direção à sua subversão, contribuindo para o debate contemporâneo acerca do realismo cinematográfico.
Bibliografia

Bazin, André (1958), Qu’est-ce que le cinéma? Vol. 1, Paris: Les Éditions du Cerf.



Berry, Chris, Lu, Xinyu e Rofel, Lisa (orgs) (2010), The New Chinese Documentary Film Movement: For the Public Record. Hong Kong: Hong Kong University Press.



Bing, Wang (2013), ‘Interview: Filming a Land in Flux’, in New Left Review 82,

July/August 2013, pp. 115-134.



De Luca, Tiago e Barradas, Nuno (orgs) (2015), Slow Cinema. Edinburgh: Edinburgh

University Press.



Renard, Caroline, Isabelle Anselme, François Amy de La Bretèque (orgs) (2014),Wang Bing: Un cinéaste en Chine aujourd'hui. Aix-em-Provence: Presses Universitaires de Provence.