Voltar para a lista
 
  Título
Interseções entre classe e gênero no cinema brasileiro contemporâneo
Autor
Mariana Souto
Resumo Expandido
Este trabalho pretende discutir as interseções de gênero que emergiram de uma tese de doutorado sobre as relações de classe no cinema brasileiro contemporâneo, defendida em 2016 na UFMG. Darcy Ribeiro (2015) já nos havia prevenido que os conflitos brasileiros nunca são puros, mas sociais, étnicos, econômicos, raciais, etc – cada um se pinta com as cores dos outros. Embora o trabalho focasse as relações de classe, questões relativas a gênero (assim como as de raça) a todo momento irrompiam e insistiam em falar. Nesta comunicação, elas tomarão a frente e ganharão a prioridade que antes não tiveram.

Em um capítulo denominado “De peões a domésticas”, montamos uma série histórica que observou o caminhar dos filmes focados em trabalho, desde o Cinema Novo até os dias de hoje. De Viramundo, ABC da greve, Chapeleiros e Peões, desembocamos em Santiago, Babás e Doméstica. De camponeses, operários e metalúrgicos (categorias quase extintas no cinema contemporâneo, decadência que o próprio Peões já sinalizava), passamos às babás, ao mordomo e às empregadas domésticas.

Uma das hipóteses que nos movia era a de que, nos anos 2000, os empregos domésticos apareciam como principal reduto das relações de classe no cinema brasileiro – e uma série de características e diferenças se desdobram daí. Este giro acaba por ser também um deslizamento entre gêneros: de profissões consideradas masculinas nos voltamos agora a ofícios predominantemente ocupados por mulheres. Nos casos dos filmes do passado que abordamos, pode ser que houvesse de fato menos mulheres em certas ocupações, em outros casos suspeitamos de que simplesmente tenham sido preteridas nas imagens. Nos filmes do presente, as mulheres são maioria – o que não deve, necessariamente, ser comemorado, já que são as grandes reféns das condições e contradições do emprego doméstico, iniciadas no trabalho ainda meninas, apartadas da família, muitas delas abusadas e exploradas por seus patrões, questões que os filmes evidenciam a partir de entrevistas e de observações diversas. Nos filmes em questão, relações de poder e de afeto se mesclam de maneira indissociável.

Também no campo da ficção, muitas relações entre patrões e empregadas domésticas são figuradas (sobretudo em Que horas ela volta?, Casa grande, O som ao redor e Trabalhar cansa). Recorrentes são as abordagens sexuais de homens de classes altas a mulheres de classes baixas. Jean e Rita (Casa grande), José Carlos e Jéssica (Que horas ela volta?) não forjam relações ancoradas no interesse mútuo, mas partem das vantagens de um indivíduo em posição social superior sobre outro, a continuação de uma relação de exploração trabalhista no âmbito sexual.

Em Trabalhar cansa, ficção que se avizinha do cinema de horror, destacamos um outro tema relativo a gênero. No campo do trabalho, o casal de protagonistas, Otávio e Helena, traçam caminhos opostos: ele fica desempregado enquanto ela abre seu próprio negócio. Ele fica em casa, ela vai para a rua. Ele perde poder, virilidade; ela se torna ríspida, autoritária. Uma inversão de papéis convencionais que parece afetar não só a relação afetiva do casal como abalar a tradicional família de classe média. O gênero do horror muitas vezes representa, através de seus monstros e criações da imaginação, uma reação conservadora a mudanças sociais. A relação entre o terror e o medo da mulher, aliás, é muito recorrente no gênero. Ela é muitas vezes a origem do mal (O exorcista, Carrie, a estranha, O bebê de Rosemary) ou sua principal vítima, perseguida e punida sobretudo quando está em evidência uma figura feminina forte, independente, ativa e livre sexualmente (Alien, Halloween, Os pássaros).

Assim, vimos uma variedade de questões despontaram tanto no contexto da produção documental quanto na ficcional, revelando as impossibilidades de se considerar classe sem os atravessamentos de gênero – e vice-versa.
Bibliografia

BERNARDET, Jean-Claude. Cineastas e imagens do povo. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.



BERNARDET, Jean-Claude. Operário personagem emergente. In NOVAES, Adauto (org). Anos 70: cinema. São Paulo: Europa, 1979-1980.



LINS, Consuelo; MESQUITA, Claudia. Filmar o real: sobre o documentário brasileiro contemporâneo. Rio de Janeiro: J. Zahar, 2008.



NAZÁRIO, Luiz. Da natureza dos monstros. São Paulo: Arte & Ciencia, 1998.



NEGRI, Antonio. A feminização do trabalho, 1998. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/mais/fs14069803.htm. Acessado em 01 de fevereiro de 2016.



NOVAES, Adauto. Ensaios sobre o medo. São Paulo: Ed. SENAC São Paulo: Edições SESC SP, 2007.



RIBEIRO, Darcy. O povo brasileiro: a formação e o sentido do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.



SOUTO, Mariana. Infiltrados e invasores: uma perspectiva comparada sobre as relações de classe no cinema brasileiro contemporâneo. Tese (doutorado). Belo Horizonte: PPGCOM-UFMG, 2016.