Voltar para a lista
 
  Título
Estética, Cor e Direção de Arte em Meu Pedacinho de Chão
Autor
Milena Leite Paiva
Resumo Expandido
Este artigo apresenta uma análise estética da telenovela Meu Pedacinho de Chão (2014), dirigida por Luiz Fernando Carvalho e veiculada pela Rede Globo de Televisão, com foco no emprego conceitual e técnico da cor nos processos da direção de arte e a sua expressão na visualidade da obra. Considerando o conceito de imagem proposto por Aumont (1993) e os escritos de Block (2010) acerca da construção da narrativa visual em produtos audiovisuais a partir dos processos práticos da produção, analisamos um conjunto de sequências da telenovela que aponta para um uso experimental e original da cor na televisão brasileira. Para fundamentar a discussão utilizamos ainda uma base conceitual oriunda da teoria das cores, conforme a pesquisa desenvolvida por Guimarães (2000).



Compreendendo-se que no conjunto dos trabalhos televisivos de Luiz Fernando Carvalho é possível apontar uma prerrogativa de subversão a processos e perspectivas projetivas no contexto industrial da Rede Globo, em sua busca autoral e dialética entre o artesanal e o industrial, definimos como objeto de análise a telenovela Meu Pedacinho de chão, por esta obra representar tanto uma valorização de processos e técnicas artesanais em um contexto de processos industriais da direção de arte quanto pelo seu alinhamento a um apelo televisivo à estetização imagética evidenciado pelo uso ostensivo de recursos de pós-produção digital, tal como de efeitos visuais e de correção da imagem; o que aponta para o caráter interdisciplinar da construção estética no audiovisual. Observa-se em Meu Pedacinho de Chão uma radicalização da visualidade televisiva. Os processos circunscritos ao universo prático da direção de arte são expandidos ao limite expressivo, o que se expressa esteticamente nas imagens.



Esta análise será norteada pela concepção de que, sejam estáticas ou em movimento, as imagens ficcionais trazem o registro de um processo de criação pautado na manipulação de materialidades e visualidades específicas para expressar ideias e sentidos particularizados. A investigação foi assim direcionada aos processos conceptivos da imagem circunscritos às prerrogativas de projeto da criação espacial e material da cena no audiovisual, em sua relação estrutural com as dimensões conceptivas da cor, considerando, para tanto, a realização de um mapeamento de processos, conceitos e falas originais destes “lugares” de criação e da análise dos seus desdobramentos no aspecto visual da obra. Buscou-se traçar uma abordagem teórica e prática das diretrizes visuais intrínsecas ao projeto visual de uma produção audiovisual ficcional e da sua expressão nos domínios cromáticos da imagem.



No contexto das práticas audiovisuais, a composição da materialidade cênica é estruturada com base em uma paleta de cores conceituada e montada no período da pré-produção e de pesquisa da direção de arte, sempre em diálogo com a direção de fotografia. Esta paleta define o arranjo e a combinação de cores e tonalidades que irão perpassar os elementos cênicos. A partir das cores sugeridas, é possível definir todo o planejamento e o controle cromático de cenários, de figurinos e de maquiagem. Cores que irão definir posteriormente narrativas e sentidos particulares nas imagens. A análise do Meu Pedacinho de Chão é realizada segundo dois direcionamentos cromáticos: o da cor “material” que define a materialidade da cena, e o da cor “imaginária”, resultante da projeção visual desses elementos na imagem a partir do trabalho da fotografia (criação de luz, sombras, tonalidades e planos) e de correção na pós-produção. A visualidade das obras é composta, neste sentido, por um arranjo de cores “imaginárias”, cores pensadas de forma a sustentar a representação ficcional: o universo imaginário da obra, seus espaços, objetos e personagens, enfim, a diegese.
Bibliografia

AUMONT, Jacques. A imagem. Campinas, SP: Papirus, 1993.

_____________. O olho interminável: cinema e pintura. Cosac e Naify: São Paulo, 2004.

BLOCK, Bruce A. A narrativa visual: criando a estrutura visual para cinema, TV e mídias digitais. Tradução: Cláudia Mello Belhassof. São Paulo: Elsevier, 2010.

BUTRUCE, Débora Lúcia Viera. A Direção de arte e imagem cinematográfica. Sua inserção no processo de criação no cinema brasileiro dos anos 1990. 2005. 227f. Dissertação (Mestrado em Comunicação) – Programa de Pós-Graduação em Comunicação, Imagem e Informação, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2005.

CARVALHO, Luiz Fernando. Meu pedacinho de chão. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2014.

GUIMARÃES, Luciano. A cor como Informação. A construção biofísica, lingüística e cultural da simbologia das cores. São Paulo: Annablume, 2000.

HAMBURGER, Vera. Arte em cena: a direção de arte no cinema brasileiro. São Paulo: Editora Senac São Paulo; Edições Sesc São Paulo, 2014.