Voltar para a lista
 
  Título
Em busca dos “Zés-ninguém”: Individuação no cinema de Jia Zhangke
Autor
Ítalo Rocha Viana
Resumo Expandido
Ao ser questionado sobre sua opção de filmar “zés e marias-ninguém”, o cineasta chinês Jia Zhangke argumentou certa vez que esta indagação, em si, já carregaria um problema. Em sua concepção, o termo “zé-ninguém” pressupõe a afirmação de que haveriam pessoas especiais, enquanto outras não (FRODON; SALLES, 2014). Se sua filmografia pode ser abordada por diversos aspectos, um elemento central que permeará o conjunto de sua obra é a busca por individuações em detrimento do esvaziamento midiático engendrado pela cultura do espetáculo.

“Como passar do indivíduo à massa? Questão política. Como passar da coletividade ao sujeito? Questão cinematográfica” (Comolli, 2007, p. 128). Este questionamento marca centralmente o gesto estético-político do cineasta chinês. Em um cinema que aposta na duração acerca de seus personagens, a obra de Jia Zhangke dá a ver singularidades em meio às macro-transformações que atravessam a China atual. Sua obra combina uma linguagem sensorial, com planos prolongados, sons defasados, um tom meditativo, enfatizando o espaço próprio da relação filmada, e uma reflexão mais ampla sobre o tempo, as mudanças, seja através de um extra-campo que tensiona o cotidiano (In Public) seja de modo mais explícito ao deflagrar na imagem as transformações da sociedade chinesa (24 City).

Apontando para um presente cristalizado, um constante devir, a filmografia de Jia Zhangke torna sensível a alienação do mundo contemporâneo. Em meio aos escombros do capitalismo chinês extremamente desenvolvido, a distopia de um presente estranhado ganha forma nos corpos, expressões, deslocamentos, histórias de indivíduos cindidos por uma constante defasagem temporal (VIEIRA Jr, Erly M., 2013).

A proposta desta comunicação consiste em aprofundar uma análise sobre a linguagem de que se vale Jia Zhangke em sua obra a fim de efetivar individuações no cinema. Em suas próprias palavras, “[...] poderíamos chamar os personagens de meus filmes de “não detentores do poder”, “não peixes grandes”. [...] por que criar um mundo artificialmente dramático quando fazemos um filme?” (FRODON; SALLES, 2014, p. 146). É na contra-mão do progresso midiático que analisaremos aspectos de seus filmes In Public (2001), Dong (2006) e 24 City (2008), com o intuito de refletir sobre questões como o estranhamento e as temporalidades do mundo que nos cerca.
Bibliografia

BRAGANÇA, Felipe. “Sentimento do real, imaginação da história: seis perguntas para Jia Zhang-Ke”. In: Revista Cinética, 2007c. Disponível em: , acesso em 05/03/2017.

COMOLLI, Jean-Louis.“Os homens ordinários. A ficção documentária”. In: O comum e a experiência da linguagem. GUIMARÃES, C.; OTTE, G.; SEDLMAYER, S. (Orgs.). BH: UFMG, 2007.

DIDI-HUBERMAN, Georges. Pueblos expuestos, pueblos figurantes. Buenos Aires: Manantial, 2014.

FRODON, J.M e SALLES, W. O mundo de Jia Zhangke. São Paulo: Cosac Naify, 2014.

MELLO, Cecília. Da Fábrica 420 à Cidade 24: Intermidialidade, memória e história em 24 City. Leste Vermelho, número 1, 2015.

VIEIRA Jr, Erly M. . "Sobre a dimensão transcultural do realismo sensório no cinema mundial contemporâneo". In: BRANDÃO, Alessandra; CORSEUIL, Anelise; LIRA, Ramayana. (Org.). Cinema, Globalização, Transculturalidade. 1ed.Blumenau: Nova Letra, 2013, v. 1, p. 63-84.