Voltar para a lista
 
  Título
Cinéma beur: as impressões iniciais do movimento pela crítica francesa
Autor
Ryan Brandão Barbosa Reinh de Assis
Resumo Expandido
A década de 1980 traz consigo uma modificação no modo como os imigrantes magrebinos são retratados nas produções cinematográficas francesas, graças, principalmente, à emergência de um conjunto de filmes que viriam, por sua vez, a integrar um movimento conhecido como cinéma beur. O termo beur significa árabe em verlan, uma maneira de se expressar em língua francesa, sobretudo entre os mais jovens, que é caracterizada pela inversão da posição das sílabas das palavras. Dessa troca, inclusive, advém a origem do seu próprio nome. Afinal, l’envers se torna verlan caso a pronúncia da última sílaba for dita anteriormente. Conforme assinala Sylvie Durmelat (1998), o termo beur se fortifica, em Paris, no final da década de 1970, como um modo positivo de autodesignação para a população de origem norte-africana que tinha nascido ou vivia, desde muito pequena, no país europeu. No entanto, ele aparece, publicamente, pela primeira vez, com a fundação, em 1981, da Radio Beur. Por sua vez, a nomenclatura foi recuperada, pela imprensa, dois anos depois, quando da Marcha pela Igualdade e contra o Racismo, que foi apregoada, na época, como Marcha Beur. Logo, conforme preceitua Alec Hargreaves (1995), ainda que a expressão tenha, atualmente, um amplo campo de utilização, o seu uso como marcador de um movimento político e identitário é o mais significativo dentro da língua francesa. Carrie Tarr (2005) e Will Higbee (2014), por sua vez, relatam que a produção cinematográfica beur faz referência às narrativas dirigidas pelos profissionais de ascendência magrebina, com protagonistas jovens de mesma origem e que são dominadas por temáticas como as da delinquência, integração, identidade, pertencimento e racismo na sociedade francesa. O filme marco dessa produção é Le Thé au harém d’Archimède, adaptação do romance autobiográfico do cineasta Mehdi Charef, sobre as experiências vividas por ele, imigrante argelino, nos subúrbios parisienses. Conforme assinala Will Higbee (2014), o longa obteve 171.221 espectadores, apenas em Paris, e 516.487 em todo o território [550.000, de acordo com Abbas Fahdel (1990)] quando do seu lançamento nos cinemas. Possivelmente, as discussões críticas mais substanciais a respeito do movimento conhecido como cinéma beur podem ser encontradas nas edições especiais das revistas Cinématographe (1985) e CinémAction (1990), que foram, em grande parte, dedicadas a esse conjunto de filmes até então recém identificados. Além de filmografias extensas e de entrevistas com cineastas e atores de origem norte-africana, ambas as publicações ofereceram uma análise das temáticas e dos aspectos estéticos compartilhados pelas obras beurs que surgiram durante os anos 1980. O objetivo principal pareceu ser então apresentar as produções desses diretores a um público mais amplo, consolidando, assim, a sua posição dentro da indústria cinematográfica francesa. Dessa maneira, no presente trabalho, a partir de uma reflexão sobre o significado da terminologia cinéma beur – que, de antemão, apontamos que não ficou imune às críticas – avaliaremos o conteúdo das referidas publicações e a importância delas apresentarem, ao seu público, um movimento, até o momento, pouco explorado pelas demais revistas especializadas em cinema no país, mas que se destaca, sobretudo, por fazer referência a questões sociopolíticas da época, que continuam bastante atuais.
Bibliografia

CINÉMATOGRAPHE, nº 112 (Cinéma Beur), juillet, 1985.

CINÉMACTION, nº 56, juillet, 1990.

DURMELAT, Sylvie. Petite histoire du mot beur: ou comment prendre la parole quand on vous la prête. French Cultural Studies. 9 ii (26), pp. 191-208, 1998.

FIGUEIRÔA, Alexandre. Cinema Novo: a onda do jovem cinema e a sua recepção na França. Campinas: Editora Papirus, 2004.

HARGREAVES, Alec G. Immigration, race and ethnicity in contemporary France. London, Routledge, 1995.

HIGBEE, Will. Post-beur cinema: North African Émigré and Maghrebi-French filmmaking in France since 2000. Edinburgh: Edinburgh University Press, 2014.

NAFICY, Hamid. An accented cinema: exilic and diasporic filmmaking. Princeton and Oxford: Princeton University Press, 2001.

OSCHERWITZ, Dayna. Past Foward: French Cinema and Post-Colonial Heritage. Illinois: Southern Illinois University Press, 2006.

TARR, Carrie. Reframing difference: beur and banlieue filmmaking in France. Manchester: Manchester University Press, 2005.