Voltar para a lista
 
  Título
Fresa y Chocolate: uma análise das músicas não-originais diegéticas
Autor
Marina de Morais Faria Novais
Resumo Expandido
Este artigo tem como objetivo tentar compreender de que forma as músicas não-originais diegéticas do filme cubano Fresa y Chocolate (1993), dirigido por Tomás Gutiérrez Alea e Juan Carlos Tabío, se relacionam com as cenas nas quais elas aparecem e com o filme de forma geral. Assim, foram analisadas nove músicas, que tocam em oito cenas.

A pesquisa utilizou partes do método de análise propostos por Chion (2008) como a localização das dominâncias e os pontos de sincronização. Após foi realizada a análise narrativa a partir da perspectiva microfuncional de cada uma das oito cenas, conforme também trabalhado pelo autor.

Na tentativa de compreender qual a relação entre músicas e ações / acontecimentos ao longo do filme levou-se em consideração as propostas de Bordwell & Thompson (2013) para análise de significados no cinema. Os autores dividem os significados em quatro tipos: referencial, explícito, implícito e sintomático. Todos os quatro são importantes para a compreensão das análises propostas.

Interessa aqui observar também qual a função de tais músicas em relação às suas cenas, conforme trabalhado por Chion (2008), de pontuar, antecipar ou reforçar as ações / acontecimentos nas cenas e ao longo do filme.

Assim, foi possível observar que as músicas “Se Fue”, de Ernesto Lecuona, “Ya ves”, de Pablo Milanés, e “Tu me sabes compreender”, de Benny Moré, que são tocadas em cenas exclusivas de David, servem como forma de pontuar e / ou reforçar o sentimento do personagem nos momentos presentes, através das letras. As duas primeiras falam de amores que se foram, porém ainda não esquecidos. A primeira é cantada em um bar após David ver sua ex-namorada, Vivian, se casando. A segunda ele ouve no som da casa de Diego após se despedir de Vivian, que vai para a Europa com seu marido. A última fala sobre o nascimento de uma noiva paixão e é tocada na vitrola na primeira noite de David e Nancy juntos.

Já as músicas “A la antigua” e “Interrumpida”, de Ernesto Lecuona, e “Adios a Cuba” e “Las ilusones perdidas”, de Ignácio Cervantes, são tocadas na casa de Diego, quando ainda está conhecendo David, com ele também presente. São todas instrumentais. Elas, diferentemente, parecem antecipar os acontecimentos futuros de Diego no filme, a partir de seus títulos, melodias e também da referência com seus autores. Os acontecimentos futuros são que Diego se apaixonará por David e terá um amor não correspondido. E também que Diego precisará deixar Cuba por se rebelar contra o governo. Há também a relação com os autores das músicas. Tanto Lecuona quanto Cervantes deixaram a ilha. O primeiro forçado por espanhóis, antes da Revolução, o segundo logo após ela. Diego também precisará deixar Cuba, tanto por pressão do governo quanto por seu próprio desejo.

Há também a música “D' amor sull' ali rosee”, cantada por Maria Callas, que aparece na primeira ida de David à casa de Diego. Os personagens ainda não se conhecem direito. A letra da ópera, em italiano, diz para que não se tenha medo e sobre um amor aprisionado. A música é colocada por Diego na vitrola para que os vizinhos não escutem a conversa. Porém é possível pensar que sua letra é utilizada como uma forma de antecipação da aproximação entre os personagens e do amor não correspondido que Diego terá por David. Essa música será utilizada adiante no filme, como leitmotiv (Kassabian, 2009), depois de uma briga entre Diego e David, em que o jovem revolucionário a escutará em seu quarto no dormitório da universidade enquanto se lembra do amigo e decidirá fazer as pazes com ele.

Enfim, a partir da análise foi possível observar que as músicas não-originais diegéticas tem relações diretas com os personagens. Enquanto as músicas tocadas apenas nas cenas de David funcionam como forma de pontuar e reforçar seus sentimentos e ações, nas de Diego as músicas antecipam suas ações e acontecimentos e evocam referências externas ao filme. É importante reforçar que esta pesquisa encontra-se ainda em desenvolvimento.
Bibliografia

BORDWELL, David & THOMPSON, Kristin. A Arte do Cinema: uma Introdução. Campinas: Editora da Unicamp, São Paulo: Editora da USP, 2013.



CHION, Michel. A Audiovisão: som e imagem no cinema. Lisboa: Editora Texto & Grafia, 2008.



FRESA Y CHOCOLATE. Direção de Tomás Gutierrez Alea e Juan Carlos Tabío. Cuba, 1993. 108 min.



KASSABIAN, Anahid. Hearing Film: tracking identifications in contemporary Hollywood film music. New York: Routledge, 2009.