Voltar para a lista
 
  Título
Música Anacrônica e Modernidade: do Western Italiano ao filme de Wuxia
Autor
Gabriel Bueno Lisboa
Resumo Expandido
Este trabalho tem como objetivo traçar paralelos entre gêneros ambientados num passado mítico, de formação de heróis e identidade nacionais, em diferentes culturas e que seriam reformulados estilisticamente por práticas decorrentes de movimentos do cinema moderno da década de 1960, como a Nouvelle Vague e a Nova Onda do Cinema Japonês. Tomaremos como objetos o som e principalmente a música como elementos desta ruptura formal para refletir de que maneira uma estética moderna dialoga com a ambientação histórica.



Sendo que o western clássico americano se restringia basicamente ao uso da música incidental influenciada pelas composições de Aaron Copland e às canções folk e tradicionais do singing cowboy (BROWNRIGG, 2003), tomaremos como base de comparação os westerns italianos com música de Ennio Morricone. Seu estilo contava com influência da música pop e concreta e se destacava pelos anacronismos, leitmotivs, instrumentalização exótica e pela consequente subordinação da montagem à música.



O estilo de Morricone seria adaptado para o chanbara (“filme de samurais”) em filmes como Hitokiri – O Castigo (1969) e Os Sete Rebeldes (1968), mas por conta das complexidades da Nova Onda do Cinema Japonês, um paralelo mais claro e direto com westerns populares italianos se daria com os filmes de artes marciais produzidos pela Shaw Brothers em Hong Kong no mesmo período.

Os filmes da Shaw Brothers, detentora do cânone do estilo na década, eram todos praticamente filmes de época, dos filmes de Wuxia, passados no universo mágico de Jianghu, aos filmes de kung fu mais “realistas” passados entre o fim da era Qing e o início da República. Este “realismo” seria motivado pela rápida modernização de Hong Kong durante os anos 1960 e 1970.



Os produtores e diretores a buscavam elementos cinematográficos modernos, como o uso de zooms, montagem acelerada e sons amplificados para satisfazer um público proletário saturado de estímulos, buscando um “realismo sensorial” e não tanto a verossimilhança representacional (YIP, 2017). Partes destas escolhas também são da ordem comercial: assim como os westerns italianos, os filmes da Shaw Brothers, pela praticidade e menor custo, não gravavam som direto, sendo dublados em vários idiomas.



Suas trilhas mesclavam o uso de instrumentos tradicionais da música chinesa como o erhu, a pipa, o dizi e percussão características, com músicas de arquivo da gravadora inglesa De Wolf, incluindo aí temas de funk e jazz comuns em filmes de aventura e espionagem ocidentais da época. Alguns filmes chegaram a utilizar músicas de filmes ocidentais e de bandas de krautrock e da música eletrônica (como o Neu! e Jean-Michel Jarre) sem o consentimento dos músicos, possivelmente temp tracks tornadas definitivas para economizar com o licenciamento de trilhas em lançamentos regionais.



Como embasamento teórico serão usados os estudos de Rodrigo Carreiro (2014) e David Bordwell (2011) a respeito da estilística dentro dos respectivos gêneros, o estudo de Emily Kausalik (2008) sobre os usos formais e narrativos no cinema das trilhas de Morricone e os estudos de Man-Fung Yip sobre as relações da industrialização de Hong Kong com a modernização estética dos filmes de kung fu do período.



Futuramente propomos uma análise em três colunas (composta por minutagem, imagem e banda sonora) de cenas do filme Punhos de Serpente (1978) que apropria (no seu lançamento em chinês) de músicas de outros filmes como 007- O Espião que Me Amava e Josey Wales, o Fora da Lei. Será comparado o contexto e uso de trechos das músicas em seus filmes originais com o seu uso em Punhos de Serpente e revelar, de que maneira estes foram ressignificados e mesmo que por motivos financeiros, como este uso se diferenciaria do uso classificado como pós-moderno como aquele realizado, por exemplo, nas trilhas musicais de Quentin Tarantino.
Bibliografia

ALTMAN, Rick. Film Genre. Londres: British Film Institute, 1999.

BORDWELL, David. Planet Hong Kong: Popular Cinema and the Art of Entertainment. Irvington Way Institute Press, 2011.

BROWNRIGG, Mark. Film Music and Film Genre. University of Stirling, 2003.

CARREIRO, Rodrigo. Era Uma Vez No Spaghetti Western - O Estilo de Sergio Leone. São José dos Pinhais: Editora Estronho, 2014.

CHION, Michel. Audiovisão. Lisboa: Texto e Grafia, 2008.

KAUSALIK, Emily. A Fistful of Drama: Musical Form in the Dollars Trilogy. Bowling Green State University, 2008

GORBMAN, Claudia. Narrative Film Music. Yale French Studies. No. 60, Cinema/ Sound (1980), pp. 183-203

YIP, Man-Fung. Martial Arts Cinema and Hong Kong Modernity: Aesthetics, Circulation and Representation. Hong Kong: Hong Kong University Press, 2017.