Voltar para a lista
 
  Título
Cinemateca do MAM e Cinemateca Uruguaia: resistência cultural
Autor
Fabián Rodrigo Magioli Núñez
Resumo Expandido
Tradicionalmente, se estudou o campo cinematográfico do ponto de vista dos cineastas. Assim, os estudos sobre o cinema em regimes autoritários voltou-se para a inter-relação entre cineastas e o Estado, geralmente, a partir das dicotomias entre resistência e cooptação. É evidente que, em estudos recentes, pesquisas lançaram luz para outros campos, como a recepção, o que significou a entrada em cena no campo historiográfico de outros sujeitos sociais, por exemplo, o público (seja o espectador de modo geral, ao se analisar borderôs e textos memorialísticos, seja o espectador profissional e/ou militante, i.e., críticos e cineclubistas). Além disso, os recentes estudos históricos sobre sociedades em regimes autoritários buscam romper com a visão maniqueísta entre “resistência” e “cooptação”, ao compreender que os processos sócio-históricos entre os agentes sociais em períodos ditatoriais são bastante complexos, interpretando-os como complicadas relações de negociação, dissenso, contradições e ambiguidades. Nossa proposta segue um caminho semelhante: não nos voltaremos sobre o discurso e a ações dos cineastas frente aos regimes autoritários implantados na América Latina a partir dos anos 1960. Nossa atenção é sobre as cinematecas latino-americanas, ao buscar compreender como tais instituições agiram no contexto de repressão e perseguição institucionalizada forjada por nossas ditaduras. É evidente que esse tema é bastante amplo, sobretudo ao levarmos em conta as especificidades de cada país e a amplitude do tempo histórico transcorrido (anos 1960 aos 1980). Portanto, buscamos tecer algumas reflexões sobre o tema e, assim e principalmente, deseja compreender como as cinematecas agiram e se articularam com outros setores sociais, sobretudo do próprio meio cinematográfico, para dar respostas às ações dos governos autoritários implantados na América Latina, a partir da década de 1960. Para esse intuito iremos realizar uma análise comparativa entre a Cinemateca do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro e a Cinemateca Uruguaia, durante o período de suas respectivas ditaduras militares, a brasileira (1964-1985) e a uruguaia (1973-1985).

Ao tentarmos sistematizar o nosso objeto de estudo, podemos resumir a ação de nossas cinematecas durante as ditaduras do seguinte modo: 1) a difusão como prática de militância cultural, o que converteu várias cinematecas do nosso continente como polos aglutinadores de atividade cultural alternativa (e, que desse modo, em algumas vezes, conseguiu furar o bloqueio da censura), transformando-se em espaços de formação e convivência de um público identificado como opositora ao regime; 2) centros de produção fílmica e de formação audiovisual, uma vez que várias cinematecas não apenas exibiam filmes, como passaram a produzir ou (co)financiar filmes, além de oferecer cursos de formação estética e técnica, suprindo, em muitos casos, a inexistência ou incipiência de escolas de cinema no país em questão; 3) o resguardo - na medida do possível - para materiais considerados subversivos, transformando as cinematecas em verdadeiros cofres para obras do pensamento crítico em um cenário de “terra devastada” propiciada pelo terrorismo de Estado; 4) a articulação institucional em âmbito internacional, como meio de legitimação da(s) cinemateca(s) e, desse modo, valorizando as suas respectivas cinematografias, o que acarretou, em certo momento, a busca de uma ação coletiva de caráter continental, assim como o esforço de visibilidade ao nosso subcontinente em organizações internacionais, seja de modo coletivo ou não, como membros presentes em tais agremiações. É importante frisar que os quatro aspectos levantados acima se inter-relacionam. Porém, em nossa análise comparativa entre a Cinemateca do MAM e a Cinemateca Uruguaia, privilegiaremos a difusão e, por conseguinte, a face pública de ambas as instituições no papel de formação de público.



Palavras-chave: cinemateca; preservação audiovisual; difusão; militância cultural
Bibliografia

DOMÍNGUEZ, Carlos María. 24 ilusiones por segundo: la historia de Cinemateca Uruguaya. Montevidéu: 2013.



NÚÑEZ, Fabián. La acción de las cinematecas latinoamericanas en tiempos de dictadura: el caso de la Cinemateca do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro. Archivos de la Filmoteca. Valencia, n. 73, 2017. p. 43-56.



QUENTAL, José Luiz de Araújo. A preservação cinematográfica no Brasil e a construção de uma cinemateca na Belacap: a Cinemateca do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro. Niterói, 2010. Dissertação (Mestrado em Comunicação) – Instituto de Arte e Comunicação Social, Universidade Federal Fluminense. 153p.



SILVEIRA, Germán. La résistence dans l’obscurité: le public de la Cinémathèque Uruguayenne pedant la dictadure militaire (1973-1984). Lyon, 2014. Tese (Doutorado em Estudos Transculturais) – Faculdade de Letras e Civilizações, Universidade Jean Moulin- Lyon 3. 367p.