Voltar para a lista
 
  Título
Cinema e infância e pesquisa: em modos de re-existência
Autor
César Donizetti Pereira Leite
Resumo Expandido
O presente trabalho tem por propósito desenvolver uma discussão em torno de três temas – a pesquisa, a educação e a produção de imagens por crianças no universo da Educação Infantil. Tomaremos como ponto de partida produção de imagens, produzidas por crianças. Essas produções foram realizadas em duas pesquisas desenvolvidas em escolas da Rede Pública de Educação Infantil. De modo geral, estes estudos possuíram como objetivo refletir sobre o poder da imagem e de produções imagéticas realizadas por crianças e professoras/monitoras no espaço de uma creche e de uma pré-escola de Rede Pública. Mais especificamente, um dos objetivos, desses estudos foi refletir aspectos do desenvolvimento da criança e práticas educativas na Educação Infantil a partir das imagens e das produções de imagens de crianças e professoras.

Entre os resultados desses estudos destacaremos aqui três deles: (1) as pesquisas de produção de imagens com crianças nos sugerem outros modos para pensar o ‘pesquisar’ com crianças pequenas, (2) as produções de imagens e a próprias imagens abrem a possibilidade para pensarmos acerca de outras temporalidades no desenvolvimento da criança, do cinema e da educação, (3) as produções de imagens e as próprias imagens apresentadas pelas crianças abrem perspectivas para um outro olhar para uma educação ainda porvir.

Salientamos que, utilizamos nesses estudos, como metodologia de pesquisa a entrega de câmeras filmadoras e tablets às crianças e às professoras/monitoras, que com os equipamentos em mãos produziam ‘livremente’ imagens digitais e filmagens.

Com os equipamentos em mãos, tanto as crianças, como as professoras tiveram, durante 4 anos, a oportunidade de produzir cerca de 27 mil imagens, sendo aproximadamente 23 mil fotografias e 4 mil filmes. As imagens foram produzidas entre os anos letivos de 2011 e 2014 em encontros semanais com as crianças e professoras, e também em reuniões de trabalho pedagógico com professoras.

Temos chamado essas pesquisas de ‘relatos de minorias’, de pesquisa ‘menor’, pesquisa ‘infantil’, ou mais especificamente "pesquisa como experiência". Esse modo de pesquisar se caracteriza por uma perspectiva que é orientada no sentido de dar visibilidade para aquilo que ‘acontece’, ‘emerge’ no próprio percurso da pesquisa. Não objetivamos analisar, interpretar os dados coletados, mas sim criar um campo de reflexões em que as imagens e as filmagens, possam produzir um efetivo exercício de pensamento, e assim criar um campo que acabamos por definir como um ‘pensar com...(com imagens, com crianças, com professoras, com educação infantil, entre outros)’.

Vale ressaltar que nesses relatos, trajetos, percursos que se apresentam, as crianças nos ofertam um grande conjunto de imagens, que se tornam espaços efetivos onde o pensar com imagens e com a criança oportunizam refletir acerca da pesquisa, da infância e (3) das práticas educativas efetivas na Educação Infantil.

A perspectiva desses estudos é experimentar com o cinema e com as produções de imagens: O que pode a imagem? O que pode o cinema? O que pode a Educação? O que podem crianças com câmeras nas mãos nos oferecer a pensar sobre a Educação?

Gilles Deleuze, Giorgio Agambem e Michel Foucault, são referencias para pensar o trabalho.

Nesses trabalhos de pesquisa, temos percebido que os equipamentos possuem a força de conduzir e a leveza de serem conduzidos, é assim que um tablet muitas vezes parece operar nas mãos das crianças, como se fossem guiados por elas, mas também como se as guiassem por aquilo que na própria tela ganha visibilidade. Por vezes vemos um grupo de crianças indo para baixo de uma mesa da sala de aula como se fossem guiados pelas imagens, demarcam territórios que ganham visibilidade nos tablets. Observamos imagens por vezes nítidas, por vezes desfocadas, ou invertida. São ‘corposcâmeras’, são ‘câmerascorpos’, a produção da imagens desenvolvidas com crianças criaram nessas pesquisas espaços para pensarmos uma educação ainda porvir.
Bibliografia

AGAMBEN, Giorgio. Infância e História: destruição da experiência e origem da história. Editora UFMG. Belo Horizonte MG. 2005.

AGAMBEN, Giorgio. Ninfas. Editora Pre-Textos, Valência, Espanha. 2010.

BARROS, Manoel. O Livro das Pré-Coisas. Record Editora. Rio de Janeiro RJ. 2009.

DELEUZE, Gilles A Imagem Tempo – Cinema 2. 2007. Editora Brasiliense. São Paulo SP.

DELEUZE, Gilles. Cinéma 1 – L’Image-Mouvement. Paris: Minuit, 1983.

DELEUZE, Gilles. Mil Platôs Volume 1. Editora 34. SP, 2011a .

DELEUZE, Gilles. Mil Platôs Volume 2. Editora 34. SP, 2011b .

DELEUZE, Gilles. Bergsonismo. Editora 34. SP, 2012 .

FOUCAULT, Michel Microfísica do Poder Editora Graal. São Paulo SP. 2009.

FOUCAULT, Michel O Nascimento da Biopolítica. Martins Fontes Editora. São Paulo SP. 2008.

RANCIÈRE, Jacques. Le Spectateur Émancipé. La Fabrique, Paris. 2008.

RANCIÈRE, Jacques. Les Écarts du Cinéma. Paris : La Fabrique, Paris. 2011.