Voltar para a lista
 
  Título
Vanitas: decomposição da matéria, recomposição do tempo
Autor
Manuela de Mattos Salazar
Resumo Expandido
Visamos aqui continuar a investigação iniciada na comunicação de 2017 a respeito da temporalidade em obras visuais contemporâneas que discutem a tradição do gênero das naturezas mortas. Transposições entre estática e movimento, acelerações e desacelerações, estratégias de montagem como time lapse e loop, além novas tecnologias de captação de imagens engendram camadas de um tempo elástico que foge da ideia do instantâneo ou da linearidade.



Matéria do tempo e tempo da matéria: os artistas que vamos pesquisar nesta comunicação discutem a decomposição da matéria, por meio de estratégias de aparente decomposição e recomposição do tempo e do movimento, herdadas dos primeiros experimentos de Marey ou Muybridge e da evolução dos meios cinematográficos e fotográficos. Nas obras a serem estudadas, acelerações, paradas e desacelerações concedem outra dimensão visual aos objetos retratados ao engendrarem tempos sui generis: o estático devém movimento, a morte devém vida e a poesia visual se desprende nestes paradoxos.



Pesquisaremos inicialmente quatro trabalhos: os filmes Still Life (2001) e A Little Death (2002) da artista americana Sam Taylor-Johnson (na época, Sam Taylor-Wood), o filme Domestic Nature Morte (2004), da artista finlandesa Saara Ekström e a série de fotografias Stilleben (2001-2007) do fotógrafo alemão Michael Wesely. Em comum, como dissemos acima, estes trabalhos discutem a decomposição da matéria. Em Ekström, o trabalho projetado em grande escala na parede mostra uma travessa com tomates que, conforme montagem em loop acelerado, amolecem, se desmancham e apodrecem para em seguida, em um processo de inversão, se tornarem novamente suculentos. Similarmente, em Still Life de Taylor-Johnson, em uma renascentista travessa, pêssegos se decompõem de maneira acelerada através de uma montagem em time lapse. Já em A Little Death, uma lebre sofre um violento processo de decomposição sobre uma mesa, parecendo movimentar-se no processo. Por fim, o trabalho de Weseley mostra, a partir de sua técnica de longuíssimas exposições, o processo de decadência e decomposição de arranjos florais, ao longo de períodos como uma semana, em apenas uma imagem fotográfica.



“O vídeo de Taylor-Johnson retoma as históricas naturezas mortas de Flandres, que convidavam as pessoas a contemplarem a passagem do tempo. Aqui, os espectadores veem o tempo acelerar em sua frente” (PETRY, 2013, p. 186). Em todos os trabalhos que vamos pesquisar, pretendemos investigar, além das contradições temporais, as suas relações com a tradição da vanitas. De fato, nestas obras, a elasticidade temporal parece demonstrar a própria realização do ideal deste tipo de natureza morta: ser um espaço de contemplação da passagem inexorável do tempo, e a inevitabilidade da morte. Na vida, a eternidade da matéria é inalcançável, mas na natureza morta as coisas são eternas enquanto imagens. Vamos, portanto, investigar estas composições, decomposições e recomposições do tempo e da matéria, a fim de contemplarmos o lugar que ocupam na tradição pictórica das naturezas mortas, e as diferentes temporalidades que engendram, em um contexto contemporâneo de apreço à ruína, de objetos e matérias que jamais se degradam, e de um impulso de contemplação de imagens de morte.
Bibliografia

BRYSON, Norman. “Looking at the Overlooked – Four Essays on Still Life Painting”. London, 2012.

DUBOIS, Philippe. O ato fotográfico. Campinas: Papirus, 1993

____. Cinema, Vídeo, Godard. São Paulo: Cosac Naify, 2013 (e-book)

DELEUZE, Gilles. A Imagem-Movimento. São Paulo: Brasiliense, 1985

____. A Imagem-tempo. São Paulo, Brasiliense, 2005

____. Bergsonismo. São Paulo: Editora 34, 2012

FATORELLI, Antonio. Fotografia contemporânea – Entre o cinema, o vídeo e as novas mídias

FONT-RÉAULX, Dominque de. “Painting and Photography – 1839-1914”. Paris, Flammarion,

LISSOVSKY, Maurício. A máquina de esperar – Origem e estética da fotografia moderna. Rio de Janeiro: Mauad X, 2008.

PETRY, Michael. Nature Morte – Contemporary artists reinvigorate the Still-Life tradition. Nova York: Tahmes & Hudson, 2013.

Obras:

TAYLOR-JOHNSON, Still Life (2001)

TAYLOR-JOHNSON, A Little Death (2002)

EKSTROM, SAARA, Domestic Nature Morte (2004)

WESELY, Michael, Stilleben (2001-2007)